terça-feira, 2 de outubro de 2012

Eu não quero vencer na vida


Ou Se nada der certo pelo menos eu não virei você.

É impressionante a quantidade de vezes que alguém pode ouvir receitas de felicidade em menos de uma semana. Tem sempre aquela terapeuta da sua mãe que tem certeza absoluta que você deveria seguir carreira em comércio exterior, porque dá mais dinheiro e estabilidade. Ou aquele seu professor que resolve fazer uma contabilidade rápida de qual é a idade normal em que as mulheres casam e têm filhos. Ou até mesmo aquele seu amigo ou amiga que te acha o máximo, mas queriam muito que você finalmente encontrasse um cara legal. Deus sabe que só te falta um namorado.

Aos 18 anos a maioria das pessoas já está procurando a ideia de ouro que fará com que o Capitão América seja apenas um garoto sortudo que descobriu o caminho da academia. Inventar uma rede social, descobrir a fórmula de um medicamento mais poderoso que Rivotril, acertar todos os números da MegaSena sozinho. É só isso que você precisa pra viver a vida que sempre quis. Pouco trabalho, um carro suntuoso na garagem, uma namorada capa de revista ao lado e um sorriso colgate. Pronto, o cara tá feito. Será o maior vitorioso do almoço de família aos domingos, os colegas de escola se arrependerão de nunca terem tido a mínima fé no sucesso dele. Se for mulher é só acrescentar a família feliz e toda a linha anti-idade da marca internacional mais cara no seu banheiro de mármore. Parabéns, você venceu na vida.



Vencer na vida é fácil. Todo mundo tem uma receita pronta pra te entregar. É como exercício de pré-vestibular: se você errar, vai ter sempre um professor especialista pra te falar onde é o erro e te contar o macete pra nunca perder a questão. No caso, a vida. Só existe um jeito de tomar decisões, fogueira se você resolver arriscar demais ou se decidir se blindar de vez em quando. Permaneça no meio termo da receita e seja agraciado com a vida perfeita. Aquela música do Los Hermanos é até legal, mas ninguém quer levar a vida devagar e correr o risco de não pegar ingressos VIPs pra festa mais importante do ano. Tudo bem, você pode até dar uma de inconsequente, pode ser burro, crítico, pode não se contentar. Mas tenha em mente que você só será feliz se seguir essa receita certeira. Não há espaço pra experimentações no mundo dos vitoriosos.

Obrigada a todos os sábios que tentaram me ajudar até agora. Pensei e repensei muito antes de decidir que não, não quero vencer na vida. Não quero esse sorriso colgate arduamente sustentado pelos cremes antirrugas e toneladas de Rivotril que eu vou precisar se tentar, durante anos, ser feliz pelo método convencional. Não acho que viver a vida inteira agindo segundo princípios que não são meus compense a aprovação do meu tio-avô todo domingo à tarde. Não quero sequer ter o trabalho futuro de explicar a cada amigo meu que não, eu não preciso de empréstimos, terapias ou encontros arranjados.

Depois de muito refletir, me reservo o direito de casar aos 20, 50 ou não casar nunca. O direito de ser professora primária, atriz de filme cult-experimental ou secretária-geral da ONU. Não posso mais ouvir frases que contenham as expressões “carreira do futuro”, “estabilidade financeira”, “arrumar namorado” ou qualquer comparação com a sua vizinha, prima ou amiga da revendedora Avon. Decidi que posso desistir do que quer que seja, quando eu bem entender. Posso também me propor a fazer mais um milhão de coisas, se assim desejar. Tenho o direito de mudar de caminho até o último dia de vida que eu tiver. E se no final der tudo errado, eu só preciso pagar um preço: ter aproveitado cada um dos meus erros. 

Cazuza aprova esse post

23 comentários:

  1. Ei Flor! Sabe, eu sou bem tendenciosa a cair nessas de que tudo tá bem se eu estiver agradando meu avô no fim da tarde. Mas não sei se apenas por isso, ou se sim porque eu também acho que isso vai ser a minha felicidade. Eu não tenho dúvidas de que a minha felicidade é uma tarde deitada no chão com meus filhos do lado. Agora, coisas que realmente vão me deixar feliz e que não tenham certamente a ver com um futuro perfeito, eu tenho aprendido a fazer, mesmo que nem todos concordem. Até porque, podem não concordar, mas não podem viver a minha vida, e depois, os arrependimentos, eu que carrego. E ando pensando que é realmente melhor se arrepender do que fez, e não do que não fez!
    Te amo, minha flor!

    ResponderExcluir
  2. O Cazuza e eu *-* Nada pior do que esses conselhos, receitas, etc. Tenho vontade de virar a pessoa do avesso só pra boca ficar fechada. Mas a nossa compreensão e nosso amor você tem, Miloca linda :)

    ResponderExcluir
  3. Nem tenho o que comentar, Miloquinha. Acho que a nossa conversa de ontem diz tudo, né? Sou uma pessoa mais feliz por esse post existir, por você tê-lo escrito e por todas as pessoas lindas que se encaixam nesse drama.
    Se eu já te amava antes, imagina agora.
    <3

    ResponderExcluir
  4. Olá Milena, texto forte, viceral e realista. Li uma parte ná página da Analu no facebook e tive que entrar para ler o texto na íntegra.
    Muitas vezes pagamos um preço caro por pensar assim (pois compartilho da mesma idéia que você). No entanto é aquela velha máxima... Foda-se, quem paga sou eu.
    Então... aproveito bem o preço que pago! rs
    Parabéns pelo texto, achei muito bom.

    ResponderExcluir
  5. Milenalinda da minha vida, é por essa e outras razões que eu tenho orgulho de ser sua irmã mais velha. Você pode não saber, mas fui eu quem entrou no seu inconsciente e te fez enxergar que a beleza da vida é justamente não esperar grandes coisas dela, é assim que eu vivo, desde, hm... acho que desde sempre. Se está funcionando pra mim, funcionará pra você. Meu irmão mais velho sempre me diz que eu devia mudar de curso porque esse não me levará a nada e eu não conseguirei sustentar minha família, que eu preciso de um namorado e preciso lutar pra "ser alguém na vida" e eu sempre me irrito com ele, daí converso com meu outro irmão que diz "faz assim, pega tudo que ele falou e finge que não ouviu, afinal você é esperta o suficiente pra saber que faculdade não serve pra te ensinar um ofício, mas sim uma carrada de teorias e maneiras de pensar, vida. Quando você terminar vai saber o que quer fazer, ou não, mas olha, não tem problema nenhum não saber o que se quer." E, bem, eu acredito muito no que ele me fala. Respondo pra todo mundo que vem me perguntar qual será minha profissão com o maior sorriso no rosto, digo que não, eu não sei qual será. Que eu posso ser manicure ou presidente da república, depende do que eu tiver vontade. Depende da minha vontade. Depende de mim.
    E, para todos os efeitos, há um trecho de Tyler Durden que diz "Meu pai disse pra eu fazer uma faculdade, me formei e liguei pra ele "e agora?" e ele disse "arranje um emprego", arrumei um emprego e liguei pra ele "e agora?" e ele "sei lá, se case, tenha filhos"" e daí ele fala um monte de coisas maravilhosas sobre como isso não faz o menor sentido. Eu meio que aprendo isso todos os dias na aula de antropologia e bem, na última das hipóteses, se nada der certo a gente pode simplesmente sair pelo mundo rumo ao Alasca, não é mesmo? Olha, quando eu for montar minha trupe de pesquisas pelo país te convidarei, é a tua cara!
    Estou morrendo de orgulho de você por ter chegado a essas conclusões, viu? Eu te amo MUITO e estou orgulhosa de verdade. Ah! E eu quase escrevi no meu texto que Outubro ficou ainda melhor quando descobri que era seu aniversário :)
    Abraços sufocantes <3

    ResponderExcluir
  6. Meu amor, minha flor, minha crazy child! Faz tempo que eu me reservo o direito de parar no meio do caminho - e de virar numa curva e/ou voltar - quando sinto que alguma coisa tá fugindo de mim, do que eu sou ou do que eu quero. As pessoas já deviam ter se acostumado com as minhas experimentações também - começo algumas coisas e quando noto que elas não estão rendendo eu desisto mesmo, vou procurar outra maneira de conseguir aquilo que eu queria - mas elas ainda falam um bocado dizendo que desse jeito não vou chegar a lugar nenhum. Mas quer saber? Eu já cheguei a algum lugar! E o mais importante: eu sei como eu funciono. Eu preciso testar pra saber se é aquilo que eu quero e quando acontece de haver uma desistência no meio do caminho eu não encaro como perda de tempo. Nada é perda de tempo. A gente tá é aprendendo o tempo todo. E o mais importante: a gente tá tentando. Uma hora a gente acerta, né possível rs

    Beijobeijobeijo <3

    ResponderExcluir
  7. Sempre acho que as pessoas com poucas pretensões acabam conquistando mais, mas é só minha opinião!

    Mii, o que você descreveu nesse texto foi a liberdade!! Isso é lindo e eu queria ser tão livre assim, sério. Aproveite essa disposição :)

    beijos

    ResponderExcluir
  8. Eu acho INCRÍVEL a quantidade de pessoas que conseguem resolver a minha vida em cinco minutos. Pena que nenhuma delas leva em consideração o que eu quero e gosto.

    ResponderExcluir
  9. Estou sem palavras, Mi. Podia ficar te quotando frase por frase e acrescentando !!! ou ♥ em cada uma delas.

    Só vou dizer que você tem que saber de uma coisa: quero estar do seu lado sempre pra repetir todas essas palavras que você mesma usou, quando você precisar. Não fraqueje, você se conhece e demonstrou muito bem isso, você sabe do que é capaz e que não precisa provar nada pra ninguém. Faça sempre o que te der na telha, se for pela tua felicidade e apenas por ela, apoio não vai faltar nunca. <3

    ResponderExcluir
  10. Esse final com "Cazuza aprova esse post" foi demais ^^.
    Caramba, por aí a gente vê o peso que a juventude tem carregado. O mais estranho é que você só tem 18 anos. Não é muito para te cobrarem tanto.No geral, as pessoas te deixam em paz se você tiver um emprego, porque isso quer dizer sub-independência (dependendo do tamanho do salário,pode ser independência mesmo).Essa parte do "namorado" é o que mais acontece comigo,LOL. E daqui a pouco vão encher o saco pra eu casar..rs. Eu só acho que as pessoas deveriam cuidar das suas vidas e deixar a dos outros de lado :)

    P.S.: você comentou lá no blog que gosta de DW *-*.Te digo que,pra mim,foi bem tranquilo a passagem de Doutor.E,no começo, a gente nota que o 11° ainda tem um pouco do 10°.

    ResponderExcluir
  11. Milena que texto lindo! Que sensibilidade de parar pra pensar nisso tudo. Sinto tanto isso ultimamente! As pessoas escolhem as profissões em busca do dinheiro e olha eu entendo porque ninguém vive de papel, mas elas não compreendem que a felicidade realmente não mora ali. E mais: que fazer o que a gente gosta traz uma satisfação tão grande que supera qualquer coisa.

    Sei que já fui muito julgada por trocar uma profissão de status (jornalismo) para ser professora. Demorou mas eu liguei o foda-se porque só eu sei o quanto isso me satisfaz, e as razões pelas quais sabe?

    Enfim... adorei muito o texto.

    Beijoca

    ResponderExcluir
  12. Me lembrou muito uma entrevista com o Rubem Alves,que ele dizia que um aluno,certa vez,perguntou quais foram seus passos para ser escritor. Ele disse que se tornou escritor porque todos os seus planos deram errado.Foi assim,acaso mesmo. Ainda nessa entrevista ele disse que o céu de cada um é diferente,que o céu de alguns pode ser retomar a antiga felicidade,como um domingo com a família antes tão normal,agora tão raro.Bem,nem preciso expressar minha aversão a qualquer uma dessas fórmulas de autoajuda. Na verdade são pessoas extremamente ignorantes e preguiçosas,motivadas a padronizar tudo e a idolatrar todo tipo de verdade absoluta,gente pouco reflexiva que ao invés de buscar a própria felicidade,incorpora sonhos alheios.Claro que ainda é preciso esforço para se compreender os próprios anseios porque "só as ostras que sofrem produzem pérolas",e aguentar muitos desconfortos para se fazer o que quer que seja.Maravilhoso o texto.

    beeijo

    ResponderExcluir
  13. Milena, que post inspirador! Que bom, sobretudo, que você teve a coragem de recusar todas as receitas mágicas para criar seu próprio ideal de felicidade - como Cazuza, que foi um gênio e até hoje continua inspirando pessoas a pensarem por si mesmas, como você fez. É preciso abdicar da necessidade de felicitar aos outros com o seu "sucesso" para visar o próprio êxito, em seu conceito mais pessoal. Sim, vá em frente. Desista do que você não quer. E, acima de tudo, sonhe e corra atrás do que é importante. Mas somente daquilo que é importante para você.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  14. Eu adorei esse blog. rs
    Sobre o texto, achei foda o que você escreveu. Eu sou o pesadelo da família, então sempre tenho que escutar coisas assim. É incrível como as pessoas dizem esse lance de "vencer na vida" como uma fórmula para a felicidade.

    ResponderExcluir
  15. Mi, seu texto era tudo o que eu precisava ler. Acho que já me conformei com essa receita amarga pra "vencer na vida", mas eu simplesmente não consigo evitar o surto de tristeza que bate de quando em quando ao ver que estou caminhando pra tudo aquilo que eu acho que tem um potencial mínimo de me fazer feliz. Vou salvar seu texto aqui, para ler e me lembrar nesses momentos de crise que a escolha é sempre MINHA, e que eu não sou obrigada a vencer na vida, se eu não quiser.

    Aproveito para te desejar parabéns mais uma vez. Pelo aniversário e pelo texto.
    Mil beijos.

    ResponderExcluir
  16. Adorei seu texto.
    Já me peguei várias vezes olhando pro quintal do vizinho.
    É muito melhor seguir com seus proprios passos sem ficar esperando aprovação.

    ResponderExcluir
  17. Ah, as receitas da vida... pior mesmo é que a gente sabe que até receita de bolo pode dar errado. O que vale mesmo é seguir seu coração.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  18. Mi, li esse post tem séculos, mas até agora penso nele.
    Posso dizer que, cada vez mais, também não quero vencer na vida?

    Vamos viver que é o melhor que a gente faz!

    ResponderExcluir
  19. Sou uma pessoa que aprendeu muito com os erros. Nem consigo contar nos dedos o tanto de caminho errado que segui para chegar até aqui. Mas foi importante. Quem não erra, afinal, nunca acerta. A vida não é fácil e todos nós necessitamos de sofrer as dores e as delícias de ser o que é. Conselho é bom, recebo de bom grado. Mas a decisão final fica por minha conta. Vivendo e aprendendo a jogar.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  20. É muito difícil viver escrava dessas convenções e ideias, seguir o outro rumo, exige coragem, mas se alguém não começar é impossível mudar essa realidade. Eu fico tentando levar essa receitas de forma que não me deixem com raiva ou magoada com a pessoa que a deu, até pq não adianta nada lutar pela liberdade de escolha criando uma parede de mágoa. Enfim, vamos ver aonde chegaremos, casadas, solteiras, bem sucedidas ou não, o mundo é nosso!
    Beijos!
    http://www.frasesmaisazuis.wordpress.com

    ResponderExcluir
  21. Olá Milena,

    Boa tarde! Hoje, estou aqui para pedir seu apoio.
    25 de novembro. Poucos têm conhecimento da importância dessa data.
    Por favor, tire cinco minutos apenas e abrace essa causa! Visite meu espaço e deixe sua solidariedade.
    Por uma vida sem violência! Temos nossas palavras, vamos usá-las juntos!

    http://camillacris.blogspot.com.br/2012/11/a-mulher-que-colecionava-naos.html

    Obrigada!
    Camila Gomes

    ResponderExcluir
  22. Amei esse blog , o post é foi otimo , inspirador e o que eu mais gostei do blog :)
    Se você tiver tempo pode ver meu blog ? Beijoos e feliz natal
    blog-moranguinha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  23. Por muito tempo eu acredite que teria que seguir essa "tal" receita universalmente oculta e rara para ser feliz e bem sucedida. Hoje eu vejo que não serei feliz, se eu não seguir meu coração e for atrás daquilo que acredito e que me faz pular de alegria!
    bjsss

    ResponderExcluir